Já se pegou pensando “Qual nome uso nessa branch?” ou “Faço merge ou rebase?”. Essas e outras dúvidas de processo, a cada tarefa, podem custar muito caro para times ágeis. Impactando diretamente na velocidade do time, consequentemente na entrega de valor e nos resultados da empresa.

Neste post, vou compartilhar com você, sete práticas no fluxo de desenvolvimento de software, que percebi contribuírem mais para a agilidade de um time. Espero que você também possa aplicá-las no seu dia a dia e tornar-se ainda mais ágil.

1. Torne o nome das branches útil

Sabia que o nome de suas branches podem ser muito úteis para rastreabilidade das tarefas? Padronizar o nome das branches, de forma que você consiga associar a qual atividade ela está relacionada, ajuda a reduzir vários minutos pensando em nomes criativos. Guarde sua criatividade para situações melhores!

Outra vantagem é economizar tempo quando se precisa rastrear quais funcionalidades ou correções foram entrando no código ao longo do tempo. O que tem dado muito certo nos times ágeis que participei é criar branches com o seguinte formato:

feat_ops07_new_help_screen

Onde feat_ significa feature, ou seja, uma nova funcionalidade; ops07 é o identificador da tarefa, que no meu caso seria OPS-07 no Jira. E por fim, _new_help_screen são três palavras que resumem a tarefa.

Eu falo mais sobre tipos de tarefas neste outro post sobre como organizar um backlog de produto do zero. Um padrão legal, que vejo muito ser utilizado é:

  • feat para funcionalidade,
  • bug para branch de correção de bugs e
  • hotfix para branches que vão corrigir um bug urgente em produção.

2. O Git flow certo, nem mais, nem menos

É essencial para um time ágil pensar e estabelecer um fluxo de trabalho com o Git que seja mais adequado para o time. Um dos mais famosos fluxos com o Git é o apresentado no post A successful Git branching model. Porém, tenho percebido que este fluxo costuma ser muito mais robusto e complexo do que a maioria dos times ágeis precisam. Eu tenho usado, com muito sucesso, uma versão simplificada deste fluxo:

  • Branch master representa o código de produção. Ninguém faz commits diretos nesta branch, ela apenas recebe merge da branch develop;

  • Branch develop é inicialmente baseada na master. É a branch onde as funcionalidades serão integradas conforme são liberadas para teste ou estiverem prontas, que são as features branches;

  • Feature branches são branches que recebem o padrão de nomes que comentei no item 1. Essas branches são baseadas na branch develop e cada branch representa uma tarefa específica.

3. Integre o código com rebase e turbine a rastreabilidade

Quem nunca digitou git log --oneline --graph e ficou perplexo com a quantidade de ramificações e linhas cruzadas? Muito confuso certo?! Com o Git, temos basicamente duas formas de integrar uma feature branch à branch de develop: por meio de merge ou rebase.

Ambas atendem o objetivo. Porém, o uso do rebase torna o histórico de commits mais fácil de ler, de forma que é possível visualizar facilmente uma atividade entrando após a outra, sem linhas de branches se cruzando!

Para isso, imediatamente antes de abrir ou mergear um PR, costumo fazer rebase da minha feature branch com develop e resolvo os conflitos localmente. Isso me possibilita retestar e garantir que, após integrar com todas as outras alterações já prontas, minha tarefa continua ok.

4. Tire o máximo do Code Review

As políticas sobre code review são variadas, vão depender de muitos fatores, dentre eles, o tamanho do time. Se o contexto permitir, eu sugiro pelo menos 2 aprovações para que o PR possa ser mergeado.

Não é o objetivo deste texto entrar em detalhes sobre como fazer bons code reviews, mas é importante que o time esteja confortável em ser criterioso no code review e, o responsável pela feature branch, em aceitar sugestões de melhoria no seu código.

Vale lembrar que, em um time ágil, o que os indivíduos do time podem fazer sozinhos é menos relevante do que o que eles podem fazer juntos!

5. Como lidar com hotfixes

Hotfixes costumam ser bugs que precisam ser resolvidos imediatamente. Para estes casos, como é uma correção que vai ser feita, testada e o quanto antes deployada em produção, é comum essa branch se basear na master. Após concluída a correção, a ideia é que sejam abertos dois PRs, um para master e outro para develop, para aplicar a correção em ambas as branches.

Fora o fato de uma branch de hotfix se basear na master, todo o restante do fluxo (rebase, pull request, code review, testes, etc) não muda. Apenas se torna mais prioritário, enxuto e rápido devido a pontualidade e urgência da correção.

6. O melhor momento para apagar as feature branches

Uma dúvida comum é “Qual o melhor momento para se apagar uma feature branch?”. Para mim, este momento ocorre quando ela não é mais útil, ou seja, no momento que o código relacionado a determinada branch for para produção.

Antes disso, essa branch ainda poderá ser usada para fazer correções ou ainda, optar por postergar o deploy da tarefa relacionada a ela. Mantendo a branch, você está “guardado” o código para fazer o deploy num momento mais adequado.

7. Automatize! Automatize! Automatize!

Para um fluxo de desenvolvimento de software realmente ser eficiente, ele tem que ser fluído. Ou seja, não podemos desperdiçar tempo com tarefas repetitivas e suscetíveis a erros humanos, como realizar deploys. Logo, automatize o máximo de tarefas que puder: execução de testes, validação de “code style”, lints, o deploy (continuous delivery) e outras.

Além de ferramentas bem tradicionais como Jenkins, atualmente já podemos contar com diversas opções de SAAS (Software As A Service) que simplificam esta tarefa, alguns exemplos são CircleCI e Travis.

. . .

Muitas pessoas acreditam que o que torna um time ágil são grandes mudanças. Entretanto, a agilidade está nos detalhes. Um detalhe muito importante, capaz de turbinar a agilidade de um time, é estruturar um bom fluxo de desenvolvimento de software. O objetivo é remover o máximo de obstáculos e deixar apenas os processos que agregam algum valor como velocidade ou qualidade.

Agora com essas dicas você já tem mais insumos para tornar o seu time ainda mais ágil!